Embaixada do Equador corta internet de Assange para acalmar os ânimos com o Reino Unido

O governo do Equador comunicou ontem (28) que cortou a internet para impedir que Julian Assange comunique-se com o mundo a partir da embaixada equatoriana em Londres.  A nota assinada pela Secretaria Nacional de Comunicação do Equador explica que a decisão foi tomada porque Assange descumpriu um acordo firmado em 2017 no qual se comprometia a não se meter em questões da política internacional.

Acontece que Assange publicou tweets criticando o comportamento do governo britânico que expulsou 23 diplomatas russos em resposta ao envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal. O ativista afirmou que a expulsão foi resultado de uma política diplomática pobre, com pouca fundamentação e ainda pegou a Rússia num momento difícil quando o país enfrenta o trágico incêndio em um shopping center com dezenas de mortos.

Um dia antes da decisão do governo equatoriano, o secretário de Estado para Assuntos Exteriores britânico, Alan Duncan, discursou na Câmara dos Comuns e chamou Assange de “verme miserável” e disse que é muito lamentável que Assange fique na embaixada do Equador.

Atualmente Assange tem 46 anos e está exilado na embaixada do Equador em Londres desde junho de 2012. O objetivo do refúgio é escapar de uma extradição para a Suécia onde enfrentou acusações de agressão sexual. As acusações foram suspensas mas segue de pé um pedido de prisão. O maior medo de Assange é acabar extraditado para os Estados Unidos, onde o governo quer devorá-lo de garfo e faca por conta dos vazamentos do WikiLeaks.

 
Veja o comunicado equatoriano:

 

Novo iPad de 9.7 polegadas é aposta da Apple no mercado educacional

No último dia 27, a Apple apresentou a jornalistas, educadores e pesquisadores da área da educação um novo software educativo e um iPad de baixo custo. O evento aconteceu numa escola pública de Chicago, cidade em que os colégios aderiram ao ensino de programação para as crianças numa parceria com a Apple.

A apresentação foi iniciada com a exibição do vídeo Uma pessoa pode mudar o mundo:

Talvez a principal novidade do novo iPad seja a compatibilidade com o Apple Pencil. A “caneta” até então era exclusividade do iPad Pro e agora estará disponível a um número maior de pessoas Segundo a empresa, o Apple Pencil proporciona uma experiência de desenhar fluída e natural, sensores medem a pressão e a inclinação da tela para proporcionar precisão na hora de tomar notas ou desenhar em apps como Notability, Pages, Numbers, Keynote e Microsoft Office.

A Apple aposta que o novo iPad vem para explorar ao máximo as experiências de realidade aumentada. O aparelho conta com um giroscópio e um acelerômetro para rastrear movimentos acompanhando a próxima geração de apps de realidade aumentada.

 “o computador perfeito para aprender não se parece nada com um computador”

Para “vender” o novo iPad como um equipamento completo para apoiar o ensino escolar, a Apple lançou o vídeo publicitário Homework (Tema de Casa):

Acompanhando o novo iPad, vem o iOS 11 com novos recursos para o equipamento. O Dock oferece acesso rápido aos apps e documentos mais usados a partir de qualquer tela.

De agora em diante estudantes terão 200GB de armazenamento grátis no iCloud e em junho o macOS terá a sua versão do app Classroom (Sala de Aula) para que os educadores possam acompanhar e auxiliar estudantes nas tarefas realizadas nos seus iPads.

Para fechar o pacote de novidades, o Schoolwork (Trabalho Escolar) é o novo aplicativo que chega em junho. Através dele, o mestre pode compartilhar arquivos,  passar e observar o desenvolvimento de tarefas e acompanhar o histórico do aluno.

Quanto ao preço do novo iPad, nos Estados Unidos começa em US$330 e no Brasil R$2.499 para os modelos de 32GB.